quinta-feira, 27 de setembro de 2007

O estado da Educação.

Basta!

Ao contrário provavelmente da maioria dos pais e encarregados de educação portugueses ainda não me demiti, distraí, alienei responsabilidades e não tenciono abdicar das mesmas, dos meus deveres e dos meus direitos. Provavelmente, por também ser dos poucos a sentir a crise, não recebo qualquer subsidio do governo deste País, incluindo o abono de família, e, como tal, só ontem comprei e consultei detalhadamente o Livro de Português a ser utilizado, repito: a PORTUGUÊS, pela minha filha, 6º. ano. Sei, pelo que ouço, pretender o Senhor Ministro da Administração Interna, com o restante governo, presumo, educar as mentalidades das nossas crianças, ( sic). Eu recuso-lhe essa pretensão. Mesmo porque nada me diz ter o referido Senhor qualquer mérito especial, ético, moral ou intelectual, para assumir um papel que me compete a mim e à Família. Mas sei que a máquina funciona e está lá. Teimosamente resisto. Não aceito. Teimosamente, mesmo sabendo o que tal implica num País de medo, silêncios e omissões, dizer NÃO e recusar, combatendo, o pensamento politicamente correcto. E exigir uma Escola que ensine, o que se não verifica, deixando a EDUCAÇÃO para os Pais. Aliás, só assim se entendem as programadas alterações ao programa disciplinar, persistentemente insistindo em enfiar a " Educação Sexual " com nota de avaliação, já no sexto ano, onde se dá destaque à tolerância e diversidade sexual, bem como à contracepção sem referir, naturalmente, uma Educação Sexual assente nos princípios da Abstinência e da Castidade. À Escola não cabe " educar ". Muito menos partindo o normativo de quem só nos pode merecer dúvidas e reticências.
Para já, o registo que me leva hoje a postar e, no seguimento, ir activar junto de todas as entidades o pedido para que seja retirado o referido livro de PORTUGUÊS atribuído à minha filha, bem como ao reembolso do valor que paguei. De língua, da Língua e dos seus autores, PORTUGUESES, pouco ou nada está presente. Um ou outro nome habitual e suficientemente suspeito, como Letria. Estrangeiros, muitos. Como os assuntos que nada têm a ver com Língua Portuguesa. Editora, Plátano, " Português em linha ". O que temos?
Referências a datas especiais. Ao acaso. O dia dos namorados, o carnaval, santos populares: nunca, em parte nenhuma, por acaso, o DIA DE PORTUGAL! O Natal que não a Páscoa. Será uma questão de consumo?
Biografias, diários, personagens históricas. Muitas, portuguesas, rareiam. Não faltam os nomes maiores de um certo pensamento cultural, assente na pretensa arte degenerada, Picasso e Charlot que, sendo questionáveis enquanto artistas, mais o serão enquanto Homens. Com a língua portuguesa, não vejo nada a propósito.
Por fim, abreviando, páginas e páginas com Anne Frank, onde são mais do que visíveis os erros pedagógicos e a escandolosa manipulação ideológica. Se querem falar de crimes e bombas é curioso o esquecimento cirúrgico de Dresden, Hiroshima, a referência ao Goulag soviético ou ao Cambodja de Pol Pot. Normal num Governo que vai receber Mugabe e apadrinha Angola, inadmissivel em quem, como eu, pretende educar a filha com outros preceitos e referências. Em especial quando o livreco informa que a Alemanha nazi invadiu a Holanda em 1946, página 85. Lapidar.
Mais haverá a apontar. Os pés de página com referências a pedir ao professor para estabelecer ligação de músicas aos telemóveis dos alunos. Por exemplo. Penso que basta o apontado. Sabemos, todos, como vai a Educação em Portugal. Mesmo os aparentemente distraídos. Este livro prova-o à saciedade e é um insulto a qualquer encarregado de educação mais responsável.
Vou, como afirmei, actuar legalmente em tudo o que me for possível para denunciar e alterar esta situação concreta. Conto com o apoio e solidariedade de todos. A luta, esta luta é a de todos os que recusam a morte anunciada da nossa Educação e do nosso País.

21 comentários:

sonia r. disse...

Uma verdadeira aberração aquele livro.
Bjinho.

Belzebu disse...

Concordo totalmente contigo, só não entendi muito bem aquela da "Educação Sexual assente nos princípios da Abstinência e da Castidade". Mas devo ter lido mal!

Aquele abraço infernal!

Flávio Gonçalves disse...

Eu desde que li que estou a tentar fundamentar uma crítica ao livro, mas não consigo argumentar nada que não seja proibido por esta lei nova da "discriminação racial", principalmente por terem tirado Camões do programa e meterem lá a Anne Frank...

E sobre o resto, temos a lei que levada a letra poderá considerar promoção do fascismo criticar a falta de biografias...

Tipo, acho que o melhor é exigirmos "home schooling" em Portugal, coisa que, creio eu, também é ilegal...

Eu por vezes parece-me que esta merda de país agora tem mais proibições à liberdade de expressão que na altura do bolorento e velho Estado Novo.

E uma acção directa de queima de livros? Hum, lembra outra vez o fascismo.

Porra, mas isto em Portugal já não se pode fazer nada, é o que é.

Vítor Ramalho disse...

Como pai estou contigo.
Penso em breeve entara para a Associação de Pais na escola do meu filho, porque a luta continua.

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Nem Camões nem ninguem, ou quase, Flávio.
Independentemente de leis, assim não.
Acabei de ir a casa do Sérgio ver o livro. Vergonhoso.
Sei que já foi contactado por um grupo parlamentar e por alguma imprensa.
Quanto mais não seja, mostre-se a REALIDADE. E denuncie-se.

Belzebu: penso que o PR faz referência ao facto de a dita educação sexual sendo transmitida segundo os valores e princípios quer dos professores, quer deste Ministério, num governo que legalizou e incentiva o crime de Aborto, não fazer qualquer sentido. Em especial se conta para avaliação. Se colide com os valores individuais que são transmitidos a miúdos de 11 anos, caso da Constança, em casa pela Família.
Mais, a dita educação sexual só pode fazer sentido se incentivar como primeira medida de prevenção a prática da abstinência e da castidade. Mesmo sabendo nós que isto "soa" mal.

Abraço.

F. Santos disse...

Parabéns por este postal. Só para ler a sua frontalidade e a sua denúncia de mais uma das aberrações contemporâneas já valeu a pena existir este blogue, com o qual discordo tantas vezes.

as velas ardem ate ao fim disse...

Sabia que andavamos mal de Educação mas que tinha chegado a este ponto não.Francamente fiquei sem palavras...

Su disse...

os compnedios qandam a circular na lingua pt são vergonhosos.....


estou contigo


jocas maradas

Santos R. Queiroz disse...

A Educação Nacional deve ser uma prioridade do movimento nacionalista. Bem tenho também conhecido a situação, através de familiares e da consulta dos ditos "programas" e das montras das livrarias. A substituição das belíssimas e completísssimas selectas literárias de outrora por selecções de escritores "à maneira" (como o oportunista Saramago), a claríssima orientação para valores da "resistência ao Estado Novo" e até a insistência em conceitos como a cidadania do Mundo (formação de futuros apátridas, só pode ser!) e da cidadania europeia em deterimento da portuguesa, que qualquer dia deixa de constar. Estes são os problemas do Nacionalismo. É isto que me tenho cansado de criticar e de alertar. Se os bons Portugueses, patriotas e esclarecidos, não tomarem, mesmo que contra a corrente, um papel decisivo na Educação que é provida actualmente, bem poderemos todos andar a escrever e a falar que de nada nos servirá. Porque já não nos compreenderão. Como poderiam, com Inglês dos 8 anos em diante?

Força, companheiro Pinto Ribeiro. Faça-lhes frente o amigo e todos os que estiverem a par do que de mal se está a fazer. Não é com computadores que se salvam as crianças. É com uma alma cristã, patriótica, certa da sua existência e do que a DIFERENCIA (palavra custosa para estes extremistas do que chamam Igualdade) dos outros.

A Educação é um dever e um direito. Mas apenas e só da Família. À escola, cabe a integração social e a formação complementar. Apenas e só, também.

Bem-haja, Pinto Ribeiro. Alegra-me saber que ainda há quem se insurja contra estes monstros.
Cumprimentos a todos.

Alien8 disse...

Pinto Ribeiro,

Não conheço o livro, mas pela descrição, parece ser, de facto, uma aberração. Concordo que a educação pertence aos pais (em vez, por exemplo, da fiscalização, ou avaliação, ou lá o que seja ou não seja, de professores). Espero que os pais não se demitam de educar. E que os professores não se demitam de ensinar, com estes ou outros livros. E que pais e professores tenham condições para educar e ensinar, coisa que vai escasseando, como todos sabemos.

Um abraço.

Susana Barbosa disse...

Seria possível trazeres o livro ao "Serão"?
Boa noite e bjinhos

Teresa Durães disse...

(não te zangues, não li tudo, é tarde)

e diz o meu filho que está no 10º
- tiraram a as tic (informática) do 9º ano, é o choque tecnológigo

e acrescenta:
- escolas em condições? onde? aqui na António Arroio despediram os mestres para os contratarem com ordenados mais baixos. Assim temos de esperar que o façam.

e diz a filha (no 5º ano)
- A escola é um nojo, Não se pode ir às casas de banho nem tenho tempo para ir à cantina almoçar por causa das filas.


E o filho:
- Mas filosofia é decorar?
(e respondo com tristeza)
- Não tens filosofia mas historia da filosofia.

Ai, trabalhei 11 anos no ME. Não digo mais nada....

(e diz o filho, a Ministra é lerda)

beijos

kurika disse...

Não conheço o livro. Acredito na tua luta, como pai e como cidadão.
Assim devemos ser todos nós.
Cobardes os calados.

Força

E infelizmente, poucos gritam contra...

Bjs

Vítor Ramalho disse...

Vou entara para a Associação de Pais na escola do meu filho.
Mais uma frente de combate, mas penso que é um bom local para combater estas e outras abrilisses

as velas ardem ate ao fim disse...

Passei pa dizer bom dia

PintoRibeiro disse...

Absoluta e total falta de tempo. Respondo e pego nas achegas durante o fim de semana. Vão-se aceitando opiniões. O processo está em curso, depois explico.
Peço desculpa de não visitar os amigos mas aqui ficam votos de bom fim de semana, Kamaradas! Lutem!

Thunder disse...

Que susto!

Parecia que te tinhas enganado e escrito por baixo da foto a palavra BESTA!!!

Alien8 disse...

Bom fim de semana aos três.
Abraços.

LiliS disse...

o meu comment foi censurado?! pk?!

beijos... e basta msm!

MEU DOCE AMOR disse...

Muitas vezes o que falta é informação aos pais.E tempo para se preocuparem.Afinal a escola é tudo.Até pai e mãe.Quanto á escolha de manuais,assim é.Independentemente do que lá vem dentro,penso que o importante é saber como usá-lo.São muitas as "voltas" que se podem dar.

Quanto à educação sexual ela é de extrema importância.E é urgente.Castidade?

Retirar o livro...tens o teu direito,pois tens.E o dever de propor uma alternativa(quem sabe um outro manual?)Uma sugestão,porque não?É assim que os pais devem participar no processo.Criticar e ajudar a encontar alternativas bem melhores.Afinal são eles que conhecem melhor os seus(suas) filhos(as).

Um beijinho doce

PintoRibeiro disse...

Lilis: alguem deve ter feito "merda". Alteramos blogues e mail com injecção de muita segurança e o novo é uma confusão na entrada. Não apresenta logo todos. Deve ter sido delete antes de aberto por não aparecer na lista. Com tempo vai lá. Desculpa, sinceramente. Bom domingo, bjinho.