terça-feira, 13 de novembro de 2007

Greves e intervalos.




A da Função Pública. Enquanto a inflação dispara e o desemprego cresce. Curiosamente fazer greve um dia, e logo a uma sexta feira, nada alterará. E a greve, montada pelas indústrias sindicais, vem de uma classe que recebe pontualmente cada mês, que recebe acima da média nacional, que tem emprego estável e vitalício. A luta dos trabalhadores portugueses passa por outro lado. Ou assim devia ser. Pelo privado que a não pode fazer. Pelos precários, pelos desempregados, pelos que têm salários em atraso, nenhumas regalias, vencimentos mínimos, direitos nenhuns. Esta é uma Greve do Sistema. Dos interesses instalados. Mais do mesmo. Nada alterará à situação real com que o mundo do trabalho se defronta no País real. Greves salariais de um dia na Função Pública são jogadas oportunistas político-partidárias. Pena, desbaratar-se assim a razão que os Trabalhadores portugueses têm em lutar contra as políticas deste governo. Pena, utilizar-se assim o direito de Greve. Aos trabalhadores nada traz. Trabalhar não custa. Custa é ver o trabalho ser tão maltratado e serem alguns dos privilegiados a aniquilar a razão de uma Luta e de um Combate que se tornam urgentes.
(Não tenho tempo para o blogue. O PR está impedido de aqui andar. Fiquem descansados os amigos habituais que, sem publicitar, nada há também a esconder, apenas privacidade, não é o "coração", ainda bate, nem as tripas, vulgo o tumor no estómago, que costumam ser argumentos de ataque e insulto por alguma da muita canalha que aí anda. O PR apanhou uma violenta infecção bacteriana. Volta quando puder. Eu, quando tiver tempo. Até lá o Suck fica a marinar. Nada demais. Acho que até precisa de obras) .
Solidariedade com a VALORSUL. Polícia fora das greves. Não às provocações autoritárias do governo socialista.

14 comentários:

Carreira disse...

SILÊNCIO CULPADO disse...
Perante uma grande sacanice que está a ser feita sobre alguns professores que não recebem vencimento,têm horários d e12 horas ou estão a recibos verdes sugere-se que todos os blogues publiquem a notícia que está no http://cegueiralusa.com

as velas ardem ate ao fim disse...

Um bjinho PR.

Navegação disse...

Meu caro Bernardo

Lamento, mas vou ter de discordar com sigo em alguns pontos, que quanto a mim me parecem fulcrais, a maior parte dos funcionários públicos tem vencimentos de miséria, estamos a falar na ordem dos 700 e 800 euros mensais, mas desde já o informo que existem pessoas a receberem muito menos, lhe deixo um convite, visite o site da Direcção-geral da administração e do emprego público (http://www.dgap.gov.pt) e consulte no sistema retributivo do regime geral das seguintes carreiras:

Técnico-Profissional
Administrativo
Operário
Pessoal Auxiliar

Para um melhor esclarecimento, na maior parte dos casos, poucos são os funcionários públicos que atingem o topo da carreira, excluindo, claro está os professores universitários, pessoal da carreira de investigação cientifica que auferem de vencimentos na ordem dos 4000 euros mensais, etc… O fosso que separa as carreiras retributivas do estado é uma vergonha, conheço casos de pessoas que não almoçam, para pouparem o pouco que ganham. (subsidio de refeição 4,03 euros)

Quanto ao emprego estável e vitalício, já não é bem assim, muitos são aqueles que estão a passar para os disponíveis, já para não falar dos aumentos miseráveis que se propõem estes senhores do sistema dar, como se de uma esmola se trata-se. A função pública deveria ser o modelo de trabalho, levando a que todos os trabalhadores exigissem e lutassem por condições idênticas, mas… O que se verifica é o contrario, os trabalhadores do privado não querem estar ao nível do emprego publico, mas sim que o emprego publico esteja ao nível dos privados, fazendo assim o jogo do governo, não dá para entender.

Saudações Nacionalista

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Até sou capaz de concordar infelizmente consigo.
Mau estará para todos, realmente, ou quase.
O que me aborrece mais de facto é uma greve de um dia inconsequente. E só na função pública. A uma sexta feira. Assim não.
Com a greve em si, em abstracto, claro que concordo.
Mas antes uma GREVE GERAL por tempo indeterminado. Só que poucos a fariam.
Abraço.

Navegação disse...

Meu caro Bernardo

Quanto ao dia da Greve ser a uma sexta-feira, eu estou de acordo consigo, é juntar o útil ao agradável. Uma Greve por tempo indeterminável, é impossível… Veja que os vencimentos auferidos pelos funcionários públicos mal dão para sustentar a família, quanto mais estar em greve dia após dia sem receber, a situação era incomportável.

Saudações Nacionalistas

Alien8 disse...

As melhoras do PR, e um grande abraço para ele, extensivo à Sónia e ao Bernardo.

Thunder disse...

As melhoras rápidas do PR.Um beijos.

kurika disse...

Também posso acrescentar que conheço uma generalidade da função publica que nada faz...é um absentismo total...e com mais um dia de greve, esta vem mesmo a calhar...e como tal, temos o indice de produtividade que temos!

Bjinhos

dia 15=dia D, para mim

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Eu sei disso Navegação.
Estava a formular um desejo. Era bom...e só assim se calhar resultava.
Abraço.

Nero disse...

Um governo arrogante e autoritário, a esquerda crispada a dar "lições" como de costume de respeito pela Liberdade.
Uma provocação que se junta na Valor Sul a tantas outras neste Governo socialista.
Sem sentido a da Função Pública. Inconsequente, parece-me. E é pena.
Mas vem a calhar com o reacender da Casa Pia, a Maddie, o Lino...
Vai mal, vai muito mal o País.
Cumprimentos e as melhoras do PR.

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Visitem este
http://navegacao-nacional.blogspot.com/
com números e factos úteis.

herético disse...

abraço. as melhoras rápidas.

MEU DOCE AMOR disse...

pois é.

Espero as melhoras rápidas.

Um beijinho doce

MariaTuché disse...

Bem neste caso pouco há a dizer, a não ser que as greves servem para fazer cócegas ao governo.

Aproveiro para deixar um enorme beijo ao amigo PR e faz o favor de matar depressa a bactéria. Eu também ando a dar cabo da minha ahah

beijos à Sónia também e para ti um abraçinho.