domingo, 4 de novembro de 2007

Coisas da treta. A degenerescência segundo Rauschenberg. Post que já levou uma adenda.

RESISTIR!
Uma das conquistas da abrilada foi a instalação na praça pública de uma seita enorme de comentadores, especialistas e opinadores profundamente analfabetos. Isso e a democratização. De tudo. Do ensino, vê-se, à dita Kultura. No jornalismo já não bastavam os pagos. Agora temos os gratuitos. Assim lá escreve o profundamente erudito Manuel Falcão a respeito do Rausch em Serralves o elogio baboso, com a pop à mistura. Por mim aquilo qualquer sucateiro com talento fazia. Carai. E o pop artista só trabalhou com os Talking Heads quando aqueles já não interessavam a ninguem, ( já tinham gravado 77, More Songs e Fear of Music ), e o Byrne assumido contornos vanguardistas de baiana gay de mão dada com o Eno. Para quem não sabe dos TH basta ouvir os 3 primeiros. É muito, muito bom e basta. Não me venham com merdas que para merda já basta esta merda. Ou seja. Aristid Bruant, cerca de 1900 em Montmarte, já o sabia nos tempos gloriosos da dita Belle Epoque. Nada como uns pós de arte e revolta para fermentar os lucros das diversões capitalistas. Depois, a vulgaridade do consumo de massas faz o resto. Boa semana. Arte a sério com 11 anos de idade, aqui. Ora bem.

8 comentários:

as velas ardem ate ao fim disse...

Resistir é o que mais queria.Lapidar ate morrer.Mas nunca me senti com tão poucas forças para o fazer..

bjinhos e um bom domingo

kurika disse...

Bjinhos a todos...amanhã é dia de trabalho, toca a dormir cedinho...hehe...para ter vontade e motivação é claro!!!

Thunder disse...

Tenham uma óptima semana!

Thoth disse...

É o que se pode dizer: excelente conclusão!

Cumprimentos

PintoRibeiro disse...

A arte, a puta da arte, pois. Com o seu digno cortejo de putas e xulos. Ora bem. Peidem-se, os eruditos, haja pão e circo.

Su disse...

eu não gosto de pseudos....
carai ..belo post...

jocas maradas

MEU DOCE AMOR disse...

Ainda ontem pensei no "pão e circo".
Pois!

Um beijo doce

contradicoes disse...

Cada vez acho mais interessante o estilo de abordagem escolhido pelos autores. Os meus parabéns por isso porque eu não perco por nada a minha visita diária observando esta crítica
mordaz inteligentemente bem produzida. Um abraço aos autores