segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Evocação da palavra.




Ezra Pound


" Porque a Direita é estúpida e não lê livros ", conforme nos lembra Eduardo Prado Coelho. Porque ao contrário do que alguns pretendem passar as ideologias não morreram e há-de sempre existir Esquerda e Direita.

12 comentários:

PR disse...

Calha bem aos pós pós qualquer merda. A relativização dos conceitos que, em nome da esquerda, beneficia em última análise a globalização do Das Kapital. Com sorte, a ignorância que insiste em confundir nacional-socialismo com fascismo, por exemplo, ( ainda hoje li algures que Hitler era fascista, lololol ), ainda vai recuperar como património cultural da esquerda a Leni e o Pound. Entre tantos. Sempre a aprender...lololol!
Bjinho.

Testa Alta disse...

Não consigo olhar a humanidade dividida em direita e esquerda, porque em ambos os assim chamados lados, conheço gente de bem, culta e inteligente.
E, em ambos, igualmente, gente menos boa.
Não me dou bem com "ismos", como já aqui terei dito antes.
Nenhum "ismo", incluindo radicalismo. O bom-senso é a arma maior de que dispomos, para viver em sociedade. Porque todos os erros se pagam, cedo ou tarde.

as velas ardem ate ao fim disse...

Esse senhor de nome Prado Coelho é um pretencioso estupido.

Dsc mas é o que penso.Um desabafo.

Se calhar não le o que ele escreve...

E ainda bem que há esquerda e direita é na diferença que esta a existencia.

bjinhos

Zé Lérias disse...

Tudo bem?

kurika disse...

Às vezes fico confusa...práticas de esquerda com ideologias de direita e vice-versa...

...sou eu que ando estrábica dos miolos? ... deve ser ...!!!

Mas Hitler fascista...hehe...como vocês dizem...lapidar...lapidar...!!!

Bjs

Opintas/Bernardo disse...

Toda a Arte, qualquer imbecil o sabe, assente num pressuposto ideológico. Como o Artista. Assim, aqui como em tudo, haverá Arte ideológicamente de Direita e de Esquerda. Este facto nada tem a ver com o Valor Estético da obra. Uma obra não tem valor por ser de Direita ou de Esquerda. Mas isso é outra conversa. Reduzir ou esquecer estes factos é desonestidade intelectual ou estupidez congénita. Para além de que um Artista e uma Arte de Direita transmitem sempre valores e princípios, não só estéticos, que não podem ser comungados pela esquerda. Básico. O que dói a alguns é ver uma Léni ou um Pound, sem esquecer um Heidegger, a apoiar com o esplendor do seu génio Adolfo Hitler. Pois é.
Bom dia Sónia.

sea disse...

Julgo que nunca fui a nenhuma livraria que tivesse uma secção: "Direita" e outra: "Esquerda".

A mente só é culta pela abrangência de temas a que nos damos ao trabalho de conhecer.

HarryHaller disse...

Um bom dia para os anfitriões sem direita e esquerda, mas com politica, quando a politica era preocupar-se com os preços do quilo da batata ou do litro de leite.

Fernando

Teresa Durães disse...

boa tarde

não gosto nem acredito em "ismos", também já o disse. e contiuo a pensar que essa era acabou.

Quanto à arte estar acente em pressupostos ideológicos; se a mensagem era, a arte mostra a visão logo a maneira de pensar do autor, concordo.

Se a definição era colocar a Arte de um autor num conceito esquerda/direita, então não é arte, é um ensaio, um método de apelar a uma fracção.

Para a Sónia: sei que não gosta, em relação ao meu post. Não comentei o seu sobre o mesmo assunto. Não gosto de contendas quando são assuntos de reflexão. Gosto e não gosto pouco diz. O vídeo do Gato Fedorento é apenas uma sátira.

Beijos a si e ao PR e obrigada. Estou francamente melhor. Mas ainda a melhorar

wind disse...

Subscrevo o que Sea esccreveu.
beijos

Just an ordinary girl disse...

Estou de pleno acordo com a sea.
Um beijo e uma boa semana!!

PR disse...

Eu também estaria. De acordo. Se a edição e o circuito das livrarias não assentassem nas capelinhas e nos lobbies do discurso e pensamento dominantes, logo de esquerda. Mais: se eu encontrasse o Mein Kampf em Português, livremente à venda, ( só se encontra na edição brasileira da Dinalivro ), se o livro não estivesse PROIBIDO numa série de países e a sua compra fosse tão livre como as obras de facínoras como Marx, Stalin, Trotski ou Mao. AS coisas parecem, mas não são. Coisas.