sexta-feira, 5 de outubro de 2007

comprei revistinha do sistema hoje


Pois é, hoje comprei a conceituada e afamada - tida inclusive como opinion maker - Visão. A única razão será mesmo o artigo que ilustra a capa, dedicado à minha pátria adiada: a Região Autónoma dos Açores (curiosamente o nome do artigo especial é Açores, Terra de Futuro). O choque começou mal cheguei ao carro e olhei melhor para a capa, "Menezes inspira-se no estilo Sarkozy".
...
Pois... eu já sabia que seria uma questão de tempo até algum político tuga copiar o modelo lá da França, mas estava mais inclinado para o Paulo Portas ou para o Manuel Monteiro. Afinal havia o Menezes. Veremos que PSD será este, embora para mim uma ingressão no PSD só com o Dr. Alberto João Jardim como presidente (é o único político português que os teve bem roxos para atacar publicamente o Clube Bilderberg, do qual é representante vitalício tuga o Pinto Balsemão, que é do seu próprio partido).
Depois passei para a crónica do António Lobo Antunes, desisti de a ler ao primeiro parágrafo: crónica? Não, o homem escreve contos!
Depois uma entrevista ao Jimmy Carter, acham que lhe perguntaram acerca do seu polémico livro (que lhe valeu a fama de anti-semita) dedicado ao fascismo israelita e ao genocídio dos palestinianos? NÃO! Perguntam-lhe acerca da construção de latrinas na Etiópia... isso mesmo... A CONSTRUÇÃO DE LATRINAS NA ETIÓPIA!!!
Página 32, inteiramente dedicada ao Barney... o cão do George W. Bush... isto é que é informação. Que tem direito a página oficial no portal do governo da casa branca (vejam, vejam carai, e não se envergonhem mais do Mário Soares).
Página 38, excelente artigo de José Gil. Aconselho vivamente. Ponto alto até agora.
E chegamos à página 87, Myanmar (que insistem em chamar de Birmânia, embora desde os tempos de Marco Polo os naturais do país o designem por Myanmar, a oposição capitalista, sionista e democrática insiste em chamar-lhe o nome imposto pelos colonizadores ingleses, demonstração de lealdade ao dono internacionalista?), claro que os maus são os do costume: o governo Nacional Socialista da Junta Militar. Os monges principescamente pagos pelo governo para não terem que trabalhar nem pedir esmola, com mosteiros mais vistosos que os do Tibete rebelaram-se... por causa do aumento de combustível?
Artigo de opinião de Rodrigo Tavares também muito bom, acerca da visita de Robert Mugabe (nacionalista africano).
Por fim li a reportagem sobre os Açores (muito agradável) e achei desnecessário ler o resto da revista.
De passagem notei na publicidade em homenagem ao Obikwelu (esse grande português do Zimbabué) e aos Lobos (os gajos da Argentina que sabem cantar o hino português e que não ganharam jogo nenhum).
Aaaaah, quase me esquecia, o vídeo que ilustra este postal (não sei se notam a águia Nacional Socialista por trás do virtuoso guitarrista Chit San Maung) é da banda myanmarense Iron Cross (Cruz de Ferro) cujo governo da Junta Militar promoveu as comemorações do 15º aniversário no activo no passado dia 9 de Agosto.
Curiosamente os elementos da banda são cristãos e alegadamente anti-regime... e o regime é uma ditadura tão grande que até promove no portal do governo os concertos da banda??? Não me gozem!
Ah e creio que convém ler mesmo lá no fim as queixas dum democrata acerca dos defeitos da ditadura em Myanmar, eu traduzo (e tentem não se rir): o Verão é muito quente e não temos ar condicionado, os autocarros são horríveis - chegam a levar 200 pessoas e não têm ar condicionado, a internet é muito cara e muito lenta, proibição de pornografia, enfim... o opositor do regime chega a afirmar que os semáforos estão calibrados DE PROPÓSITO para ficarem vermelhos durante muito tempo nas horas de ponta... porquê? Para torturar e angustiar os myanmarenses que assim, deprimidos e quebrados pelo tempo que perdem no trânsito, não se erguem contra a ditadura...
Parece o Caturo a dizer que os problemas do mundo são todos causados pelo Islão (ele afirma com cara séria que a Arábia Saudita é que controla a banca mundial... e acredita mesmo nisso! Há que respeitar).

7 comentários:

sonia r. disse...

Seja como for a situação na Birmania é insustentável o que não justifica a propaganda habitual do políticamente correcto.
Num ponto discordo. Os sauditas controlam no limite e de facto grande parte do Capital Mundial.
Mas confundir os sauditas amigos do amigo americano e o Islão é uma outra parvoeira habitual.

sonia r. disse...

Espero que o Caturo não se esqueça de juntar os amigos judeus aos sauditas, naturalmente.

MEU DOCE AMOR disse...

Lei logo.Mas adorei:)))))

Beijos

LiliS disse...

pois pois...

a "visãozita"...yah!

Mr. M. psdzito, aspira a presidente de qlq coisa... e eu a presidente do cineclube da mha terra lolololol... mas sem o estilo do fraçiu, óbvio!

Su disse...

ehehehehe gostei de ler.te

jocas maradas

PintoRibeiro disse...

Um carrosel delicioso K'mrd.
Gostei, gostei,
Abraço,
( Levanteime, por fim...brrrrr ).

A. João Soares disse...

Uma visão muito completa da VISÃO!
Ninguém está contente.
Não há regimes inteiramente maus; é sempre possível encontrar algo de bom, mesmo que muito escondido!
Quanto a Myanmar, o que acho mal é a Suu Kyi não ter podido usufruir a vitória eleitoral que obteve em eleições que certamente não foram viciadas pelo seu partido, que não estava no poder.
Se os militares não queriam aceitar o resultado teria sido mais coerente terem evitado as eleições.
Um abraço