quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Mais memórias e muita indignação.

A medo, por fim a RTP iniciou um documentário a abordar a História da dita guerra colonial. Mesmo com as inibições que o discurso correcto vai de certeza impor o 1º. episódio deu para mostrar o que eram os combatentes anticolonialistas: um bando de terroristas, assasssinos, violadores, bárbaros sem princípios ou valores a não ser o ódio racista face ao branco e até face aos pretos que discordavam da situação. Nas entrelinhas está lá tudo. Como acabou a História já o sabemos, como sabemos quem são os cobardes e traidores que cobriram a Pátria de vergonha.
Importante, como sempre, o papel canalha do nosso "aliado" americano. Felizmente, como ontem escreveu o PR, a Memória queira-se ou não existe e os factos também.
Vem num momento importante. Quando a pobreza cresce assim como o fosso entre ricos e pobres. Em que as condições de vida e de sobrevivência dos Portugueses atingem proporções dramáticas.
Num momento em que, ao mesmo tempo, Portugal é o País Europeu que mais condições dá e melhores condições oferece aos imigrantes vindos de África. Insultuoso! Mesmo que me me acusem de discriminação racial ou proteste a ladainha habitual da SOS Racismo.
Mais grave é ver as cores da minha Pátria representadas pelos Obikuwelo, Évora, Bosingwa, Deco ou agora ou tal de Makukula sargenteados por um brasileiro sem classe ou princípios.
Este País perdeu os seus valores fundamentais. Pior, perdeu o respeito por si próprio e pelo seu Povo. É tempo de dizer Basta! De dizer Não! Mesmo que alguns, sempre os mesmos com complexos mal resolvidos de Identidade insistam em me chamar de Racista.
O meu Portugal é OUTRO!

18 comentários:

sonia r. disse...

Este blogue anda com menor ritmo.
O Bernardo está a mudar-se e o PR, como todos sabem, tem problemas graves de saúde.
Vamos postando conforme houver tempo e paciência.

contradicoes disse...

O meu aplauso para este post. Gostei do 1º. episódio desta que julgo irá ser uma excelente série televisiva para esclarecimento de muitos que erradamente estavam convencidos que os maus da fita éramos nós. Quanto aos americanos. Que moral tem tal gente que chacinou os índios para se apoderar das suas terras, permitindo-se posteriormente apoiar o terrorismo em África como aliás já tinha e continuar a ser demonstrado.
E isto não tem nada a ver com sentimos rácicos porque veja-se como são aqui tratados os africanos.

wind disse...

Não posso de maneira nenhuma concordar contigo, estás a ser xenófaba e racista.
Quem faz esses discursos são os nazis e os nacionalistas!
Beijos para os 3

MEU DOCE AMOR disse...

Não vi o programa.

Desejo as melhoras

Um beijinho doce

kurika disse...

O meu Portugal é também diferente deste.

Melhoras ao PR

Bjinhos

Santos R. Queiroz disse...

"Este País perdeu os seus valores fundamentais." Eis a cerne da questão.

E nem é racismo, é justiça, visto que não é justo ajudar mais quem é tão pobre como os nossos, mas é estrangeiro. Isso sim é discriminação, desta feita infundada, ilógica e evitável.

Cara Sónia, compreendo. (E aproveito para responder ao comentário lá no "capitão": já há poste, mas é citado, um meu talvez ainda demore, que tenho também eu andado numa azáfama familiar).

Cumprimentos a todos. Melhores dias hão-de vir, certamente.

Navegação disse...

Tem toda a razão, eu assino por baixo.
As melhoras ao K'mrd Pinto Ribeiro.

Saudações Nacionalistas

sonia r. disse...

É infeliz confundir nacionalistas e nazis. Mas a nossa esquerda, todos o sabemos, insiste em ter vergonha de ser portuguesa.
Racismo é o discurso produzido pelos terroristas no referido documentário.
O resto é tema para um debate que não tem fim pela falta de integridade intelectual dos nossos esquerdistas.
Vai ser curioso ver aqueles que defendem direitos e regalias para os imigrantes com 2 milhões de portugueses na pobreza defenderem os desfavorecidos nacionais e pior, virem a breve prazo defender em nome de Portugal o Referendo Europeu.
Pena algumas não terem estado com os filhos em Angola em 1961 sujeitas à luta de libertação dos terroristas.
Basta de hipocrisia!

vida de vidro disse...

É importante, meu caro, vermos os dois lados da questão. Toda a gente sabe dos massacres que se deram em 61 (talvez sem imagens). Os porquês levar-nos-iam muito longe. Isso não te autoriza generalizações nem sequer o fechar os olhos para o que se seguiu. E para os outros massacres.
Quanto ao resto, deixa-me dizer-te que se não fossem esses que tanto desprezas talvez não obtivessemos resultados alguns. Mas nem é isso o mais importante. Pergunto-te: se tu os queres expulsar de cá, porque não haveriam os negros de Angola querer expulsar os colonos? Talvez até com mais razão, não te parece? **

as velas ardem ate ao fim disse...

O meu Tb.

Bjinhos Sonia

Bjinho e as melhoras PR

Su disse...

que seja esclarecedora.... a serie

jocas maradas para os tres+1:)

Diogo disse...

Simon Wiesenthal – onze milhões de mortos no Holocausto

Portanto onde é que Wiesenthal foi buscar o número onze milhões, incluindo cinco milhões de não-judeus?

Numa conversa privada, Bauer colocou-lhe essa questão. E Wiesenthal contou a Bauer onde fora buscar esse número. Wiesenthal contou-lhe que o tinha inventado. É verdade, ele tinha-o fabricado! E porque o tinha ele inventado? Wiesenthal inventou-o, escreveu Bauer em 1989, "para fazer com que os não-judeus se sentissem como se fizessem parte de nós." Wiesenthal já tinha manifestado a um repórter do Washington Post em 1979, quando lhe disse que "Desde 1948 eu procurei com outros líderes judeus não falar dos aproximadamente seis milhões de judeus mortos, mas antes de onze milhões de civis mortos, incluindo seis milhões de judeus."

AQUI

Thunder disse...

Não sou racista mas sou nacionalista!Não sou acérrima, confesso.Mas não concordo, como referiste, o facto de haver atletas nacionais que não o são!!!

Cumprimentos.

MEU DOCE AMOR disse...

O meu também é.Mas todos cá cabem.Embora diferentes,temos que ser muito parecidos em certas coisas,para nos darmos bem.

Um beijo PR.

Onde andas tu,que uma pessoa até fica preocupada?

MEU DOCE AMOR disse...

Sónia:

Um xi grande e as melhoras do PR

PintoRibeiro disse...

Vida de Vidro.
( Como raio te chamas? )
O post não é meu. É da Sónia.
Resultados desportivos obtidos a qualquer preço não me interessam nem valorizam Portugal.
O que penso estar em discussão. A verdade sobre o início do terrorismo no País Ultramarino.
Mas deixo-te um desafio: e se nós, Portugueses, fossemos atacar naqueles "moldes " as nossas Covas da Moura?
Depois, é o habitual. As colónias, como estão, falam por si. Razão terá o Nobel Watson...sobre pretos está tudo dito. Mas esse é racista. E, precisamente por eles nos terem expulsado de lá, incluindo gerações de brancos nascidas lá, ( mas isso não é racismo, claro ), eu insisto em ter o mesmo direito. Fiquem com a África deles e deixem-me a minha Europa.
Bjinho.

PintoRibeiro disse...

Diogo: as merdas sobre o "holocausto" tarde ou cedo virão ao de cima. Como o azeite.
Abraço.

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Se dúvidas houvesse a matança entre terroristas depois do 25 de Abril, em Angola e nas outras colónias, demonstrou bem o que estava em jogo.
TRIBALISMO RÁCICO.
Em Timor foi pior. Fugimos, choramos e oferecemos o petróleo à Austrália...eheheheh....