quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Day of the Lords.

Porque há quem não saiba ou não se lembre. Em Dezembro, 18, 1979, Amsterdam. ( Existem, parece, cd's a circularem com este material. Ao tempo, era mais, muito mais. Algo como o tormento depois do amor ). Ian Curtis: lume magoado a rasgar o corpo forjado em desesperos vários. Porque há brisas breves onde se ilumina a luz e brilha o cerimonial dos rostos ocultados. O post assim para não ficar calado. Veneno, este, o de registar, persistente e teimoso, impressões. Sensações. Como a de ler a vizinhança e constatar, por exemplo, que alguns insistem em confundir a poesia com narcisismos de quem nunca entenderá que as notas nos livros, por mais importantes que sejam, ficarão sempre nas margens daqueles. Disse-o, ( cerca de 1060 ), Ibn' Âmmar. Porque dói ver prosadores rocócós e intelectuais burgueses vampirizarem a chama de Rodrigo Emilio para com ela cobrirem a falta de génio ou simples talento, o sopro da palavra sempre ausente dos seus exercícios cativos da página e da pose. Dos tiques. Porque, passada a encenação do embuste, na sua frieza crua, o referendo sobre a legalização do aborto, surge aos poucos, sobre o que sempre foi: um negócio de abutres e de milhões, onde ainda vai entrar o dinheiro dos contribuintes. Resta a noite e o alvorecer, um punhado de versos, o sorriso da insónia no cigarro que se fuma, essa túnica líquida em que se recomeça cada dia e se sabe que o amor se faz de recordações amargas. Como quem, tantos anos depois, muda canções, que não o gume da dor. Turn on the bright lights, os Interpol, agora.

14 comentários:

sonia r. disse...

É preciso saber ler, devagar e nas entrelinhas, para perceber bem tudo o que aqui está. Bjinho.

Teresa Durães disse...

Não percebi o que se passou a 18 dezembro de 1979. Nesse dia fiz 10 anos :)

Olha, nem sei quem é o Rodrigo Emílio. Daqui a pouco sinto-me uma total ignorante!

Quanto ao dinheiro dos impostos, está descansado, nem vai acontecer. Se não há pediatras no SNS, centros de Saúde, quanto mais vão pagar o resto. Se não há terapeutas da fala e os restantes técnicos para o que é necessário, para os vivos.

Amor? Há vários tipos.

Beijos aos dois

PR disse...

Apenas um concerto da Joy Division, Teresa. Em Dezembro.

Cariocecus disse...

Boas!

Para quem não conhece o Rodrigo Emílio : http://www.rodrigoemilio.com/


Parabéns pelo blog camarada!

Abraço

sea disse...

Salve-se os Joy Divison.

b'tarde

legivel disse...

... respondendo à Teresa, respondeste-me a mim... que também ia perguntar o mesmo. Que a música não é o meu forte. Estou mais virado para a área das pescas.

boa tarde.

Um outro olhar disse...

1979, ainda não os conhecia só mais tarde os conheci,joy divison, ian curtis, gosto

"legalização do aborto, surge aos poucos, sobre o que sempre foi: um negócio de abutres e de milhões"
tudo é um negócio uns são luminosos e escolhem caminhos seguros, outros são escuros e negros e assentam em bases "estranhas/obscuras", não se aplica só ao aborto mas a várias áreas e sectores




:)

Opintas/Bernardo disse...

Obscuridades e obscuridades certamente, pegando num comentário. Muito soturnas algumas. Espessas, mesmo opacas. Será impressão minha ou está muita gente por aí com azia? Do post gostei. Momentos muito bonitos e outros ferozes qb..
Abraço.

Su disse...

gostei de estar aqui.......

jocas maradas

poca disse...

profundo como... tu.
beijinho

as velas ardem ate ao fim disse...

Gosto de joy division.

bjos

Just an ordinary girl disse...

Uma das razões pq venho sempre aqui é por eu nao conhecer algumas das pessoas de quem falas, é por eu não saber algumas das coisas que dizes...
Gosto, quero, preciso, de aprender mais.
Por isso vou já agora ouvir os Joy Division e me informar sobre Rodrigo Emili. Em outra ocasião que os menciones .... eu já vou poder comentar.

Um beijo meu, para todos os daqui...

chuvamiuda disse...

.................

Boa noite

Mina disse...

Não conhecia...
Obrigado pela visita :)
Bom fim de semana!